Conselho Regional de Farmácia

De Mato Grosso do Sul

Farmacêuticos aprovam por unanimidade negociação de piso salarial em R$ 3 mil

Além do piso salarial, farmacêuticos aprovaram também o adicional de 10% para responsável técnico e 40% para farmacêuticos gerentes

Durante Assembleia Geral do Sinfar/MS (Sindicato dos Farmacêuticos de Mato Grosso do Sul), farmacêuticos aprovaram por unanimidade que seja feita a negociação com o sindicato patronal do piso salarial em R$ 3 mil. Nesta terça-feira, o Sinfar/MS discutiu outras 12 reivindicações colocadas em pauta na assembleia que reuniu cerca de 100 farmacêuticos na sede da entidade, no bairro Vilas Boas, em Campo Grande.

O presidente do CRF/MS, Ronaldo Abrão, esteve na reunião e manifestou apoio à luta da categoria pela valorização salarial. Abrão citou o trabalho em parceria com o Sindicato e pediu para que os profissionais denunciem estabelecimentos que ofereçam salário abaixo do piso, hoje estabelecido em R$ 1.620.

“Não adianta nada a luta do Sindicato e dos Farmacêuticos se a gente continuar vendo colega aceitando R$ 700,00. O CRF/MS tem ido ao interior do Estado, onde a situação é desesperadora. E temos que mudar isso através da força de todos. Apesar de não ser nossa atribuição, o Conselho vai andar junto para trazer benefício para a categoria, porém nada adiantará se não estivermos todos juntos”, ressaltou o presidente.

Além do piso salarial em R$ 3 mil por 44h semanais mantida a proporcionalidade, farmacêuticos aprovaram também o adicional de 10% para responsável técnico e 40% para farmacêuticos gerentes, assim como adicional por titulação (especialização, mestrado e doutorado).

A categoria também votou a favor da proibição da exigência de dedicação exclusiva e pela dignidade profissional, sendo vedado aos proprietários de farmácias que obriguem os farmacêuticos a realizarem tarefas em desvio de função, como caixa e escala de faxina.

Entre os demais pontos discutidos e aprovados estão: assegurar a todos os farmacêuticos o horário de almoço; vale combustível no valor de R$ 200 mensais, vale refeição de R$ 15 por dia trabalhado; convênio farmácia, com desconto para farmacêuticos e familiares; plano de saúde participativo, participação nos lucros das empresas, além da garantia de que farmacêuticos gerentes cumprirão integralmente o Código de Ética da Profissão Farmacêutica.

Em relação ao trabalho aos domingos, ficou definido adicional de 100%, normatização da figura dos plantonistas, cuja hora seria remunerada a 200% a mais até 12 horas de trabalho e limite diário de 15 horas por plantão, sendo que após a 12ª hora, remuneração seria acrescida de 300%.

O presidente do Sinfar/MS, Luiz Gonçalves Mendes Júnior frisou aos farmacêuticos presentes que todas as reivindicações serão negociadas com o Simprofar/MS (Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos de Mato Grosso do Sul) e que a pauta aprovada em assembleia é apenas o primeiro passo.

“Eu preciso de vocês. Vamos à luta. O Sindicato não tem força sozinho, precisa de união. Se precisar parar, nós vamos parar”, reforçou.

As discussões serão encaminhadas discutidas junto ao sindicato patronal com o compromisso do Sinfar/MS de repassar aos farmacêuticos as propostas. “Eu não posso e não vou decidir nada sozinho. Nós temos que mudar isso através de força. Não adianta estabelecer o piso, se o colega da ponta não recebe”, finalizou Luiz.

Assim que as negociações começarem, o Sinfar/MS vai posicionar a categoria e uma nova assembleia será realizada.